null
Eventos Notícias Saúde

Precisamos falar sobre o Canabidiol, com Mara Gabrilli

Por: Mara Gabrilli,  publicitária, psicóloga e senadora (PSDB/SP). Foi deputada federal por dois mandatos, vereadora por São Paulo e secretária municipal da capital paulista.

Em 2015, pela primeira vez no Brasil,uma família conseguiu a autorização da Anvisa para importar legalmente o Canabidiol (CBD), óleo extraído da planta da maconha, a cannabis. A luta de Katiele e Norberto Fischer ganhou repercussão nacional quando o casal conseguiu autorização para realizar o tratamento da filha Anny, diagnosticada com uma síndrome rara, a CDKL5. Por conta das frequentes crises de epilepsia provocadas pela doença, Anny tinha, em média, 60 convulsões por semana. Seu desenvolvimento regrediu e a pequena não falava, não andava, não tinha controle de pescoço e tronco. Após fazer uso do CBD, as crises passaram a ser quase raras, perdendo espaço para uma nova rotina, marcada pela redescoberta de uma vida com possibilidades. Algo que, até então,a família Fischer desconhecia.

O CBD é usado para o tratamento de outras doenças além da epilepsia, como a esclerose múltipla, Alzheimer, Parkinson, dores crônicas, entre outras. O derivado não tem efeito psicotrópico. Ou seja, não falamos aqui de provocar efeitos alucinógenos, viciar pacientes, tampouco colaborar com o tráfico de drogas. O “barato” está em proporcionar bem-estar às pessoas. De acordo com a Anvisa, desde 2015, quando o uso terapêutico da substância foi liberado pela Agência, cerca de 4 mil pessoas já tiveram autorização para importar a substância. Para se ter uma ideia,uma quantidade de CBD, para durar de uma dois meses, dependendo da dose, sai por, aproximadamente, 2 mil reais. Não por acaso, pacientes recorrem à Justiça para que o SUS arque com a medicação.

Os números apontam para um possível mercado do CBD também no Brasil. De acordo com levantamento de empresas especializadas, como a New Frontier Data,o número de consumidores no país pode chegar a 3,4 milhões em três anos após a liberação da venda legalizada. Com isso, o segmento poderia movimentar sozinho cerca de R$ 4,4 bilhões. O valor equivale a 6,3% do total do faturamento da indústria farmacêutica no Brasil, que, de acordo com os dados do Anuário Estatístico do Mercado Farmacêutico, chegou a R$ 69,5 bilhões em 2017. Se a venda é exequível ou não para o mercado nacional brasileiro, ainda não temos a certeza, mas a discussão sobre sua viabilidade e a necessidade dos pacientes deve fazer parte do debate público. Afinal,é preciso pensar em formas de baratear,facilitar o acesso e também ter o controle da qualidade dos produtos que hoje o paciente brasileiro importa.

Embora já tenhamos dado um passo importante, liberando a importação, o processo para obter o produto ainda não é simples: é preciso ter uma receita especial e passar por diversas etapas de autorização da Anvisa. Com a liberação em mãos, é possível comprar os produtos em sites internacionais e encaminhar a permissão de entrada para a Receita Federal. A burocracia pode levar muitas famílias a realizarem a importação de maneira ilegal ou,simplesmente, desistirem. Fato é que a realidade de quem precisa hoje do Canabidiol esbarra em preconceitos e colabora também para o crescimento da judicialização da saúde, processo que,nos últimos anos, tem crescido em ritmo assustador. Não é exagero pensarmos que gastamos mais suprindo uma política que hoje não existe do que se gastássemos de fato com sua execução.

Desde 1993, alguns países têm legalizado o uso do Canabidiol no tratamento de doenças: EUA, Canadá, Porto Rico, Polônia,Mara Gabrilli é publicitária, psicóloga e senadora (PSDB/SP). Foi deputada federal por dois mandatos, vereadora por São Paulo e secretária municipal da capital paulista.Uruguai, Chile e Israel são alguns exemplos.Outras nações, como Alemanha, Suécia e Suíça, já regulamentaram o uso de medicamentos como o Sativex, medicamento com THC e Canabidiol, registrado no Brasil só em 2017 com o nome de Mevatyl. A verdade é que não estamos falando de algo novo no mundo. Aliás, fala-se que o primeiro estudo brasileiro com o Canabidiol foi realizado entre as décadas de 1970 e 1980, quando o efeito anticonvulsivante da substância foi comprovado.

Contudo, por muito tempo, a cannabis esteve atrelada a minorias discriminadas. Enquanto isso, a mesma planta que fornecia fumo aos guetos já estava presente também em fórmulas que produziam xaropes e remédios para dormir.A medicina evoluiu, mas as propriedades dessa planta tão antiga ainda esbarram em preconceitos. O uso recreativo da maconha,que não é o que discutimos aqui, está atrelado a uma série de outras questões que vêm de séculos e que precisam ser debatidas em várias esferas – e não só no Brasil. Mas discutir o uso do Canabidiol é urgente, pois essa, sim, é uma questão de saúde pública.O Brasil não pode limitar-se diante de avanços comprovados para a saúde das pessoas.É a qualidade de vida de milhares de brasileiros que está em jogo.

 

Receba as edições impressas da Revista PCD na sua casa!

Newsletter

Cadastre-se e fique por dentro das novidades!

Quer receber as novidades sobre o universo PCD no seu e-mail? Cadastre-se abaixo:

/* ]]> */