Inclusão Social Notícias Saúde

Vídeos em libras sobre o coronavírus ajudam a atender pessoas com deficiência auditiva

 

Os cuidados com a higienização diante da pandemia que assola o mundo nos últimos dias têm sido ampliados para contemplar uma parte especial da sociedade: os cidadãos que convivem com qualquer tipo de deficiência. A Secretaria Extraordinária da Pessoa com Deficiência, órgão subordinado à Casa Civil, está atenta e empreende várias ações destinadas a esse público.

Destacam-se, como alvo desse trabalho, os deficientes auditivos – que fazem das mãos sua principal ferramenta de comunicação com o mundo exterior – , cadeirantes e usuários de muletas e bengalas. Lavar bem as mãos com água e sabão ou esterilizá-las com álcool em gel são algumas das medidas preventivas, mas essas pessoas demandam e merecem mais atenção.

“Trata-se de uma parcela da sociedade muito especial. Antes de qualquer vídeo sobre os cuidados sobre o coronavírus, é preciso alertá-las [as pessoas com deficiência] sobre o porquê de elas terem que tomar esses cuidados”, alerta a secretária da pasta, Roseane Estrela, a Rosinha, como gosta de ser chamada. Ela defende que todos os vídeos produzidos para esse público devem ter legendas e uma janela com tradutor em libras, a língua brasileira dos sinais. “Isso já é lei no Brasil desde 2015”, destaca, referindo-se à Lei nº 13.146.

Atualmente há mais de 600 mil pessoas com qualquer tipo de deficiência no Distrito Federal. A grande maioria, informa Roseana, se encontra abaixo da renda da pobreza e com grande dificuldade de locomoção. “São pessoas que se encaixam no grupo de risco e que por isso deveriam ser dispensadas ou pelo menos atuar em regime de teletrabalho”, sugere.

Esse foi um dos assuntos da conversa que Roseane teve recentemente com o novo secretário de Saúde, Francisco Araújo. Na ocasião, ela aproveitou para sugerir outras propostas para o titular da pasta, entre elas, uma de caráter emergencial, em tempos de coronavírus, como a criação de um “protocolo especial de atendimento domiciliar” para deficientes físicos.

“Vai funcionar da seguinte maneira: a pessoa suspeita entrará em contato com a gente, que encaminhará uma equipe até à casa dela”, antecipa. “Estamos aguardando uma resposta da Secretaria[de Saúde] para as próximas semanas, para a aprovação desse procedimento.”

Assista, abaixo, a dois vídeos sobre cuidados com o coronavírus, produzidos com acompanhamento em tempo real de um intérprete de libras.

Vídeo 1:


Vídeo 2
:

Fonte Agência Brasília

 

 

Por: Marco Gouveia

Receba as edições impressas da Revista PCD na sua casa!

Newsletter

Cadastre-se e fique por dentro das novidades!

Quer receber as novidades sobre o universo PCD no seu e-mail? Cadastre-se abaixo:

/* ]]> */